terça-feira, 13 de junho de 2017

A comunicação social bateu no fundo

Nos tempos que correm crimes como o obtenção ilegal de correspondência privada é algo corriqueiro. Através deste método ficámos por exemplo a saber da famosa cartilha. Alguns comentadores do Benfica receberem informação pertinente para ser levada a discussão nos programas desportivos foi considerado quase como um crime. Do verdadeiro crime da obtenção desses emails ninguém ficou chocado.

Na semana passada apareceu a gravação de uma entrevista de Bruno Carvalho realizada com 15(!!!) jornalistas de vários orgãos de comunicação social. E de entre um punhado de coisas bastante graves ditas na entrevista (umas que apenas dizem respeito aos sportinguistas, mas outras que dizem respeito ao futebol português) apenas se falou da falta de vergonha do individuo que tornou pública a entrevista.

Rato, ratazana, bufo e por aí fora, foram alguns mimos que colegas de profissão brindaram o único rapaz que realmente foi jornalista naquele encontro. Mas o que fez ele para ser tratado desta forma pelos seus colegas? Cometeu um crime? Não. Não foi ético? A isto eu deixo a pergunta. Quem é que tem mais ética? Um jornalista entre 15 que decide exercer a sua profissão e informar as pessoas, ou os 14 que foram lá ser tratados abaixo de cão, que calaram e ainda escreveram o que lhes mandaram?

Já agora, que nome é que se pode dar a um encontro entre jornalistas, um presidente de um clube e o seu director de comunicação em que apenas o que esse presidente quer é que é escrito? Será que podemos chamar isto de uma cartilha para jornalistas? Do Benfica são 5 ou 6 comentadores. Ali estavam 14 "je ne suis pas Charlie", e tendo em conta as reacções posteriores de mais de uma dezena de outros jornalistas contra o único "Charlie" daquele dia, estamos na presença de uma cartilha bem abrangente.

O mais recente caso são os emails trocados entre Pedro Guerra e um tal de Adão Mendes que quase ninguém sabe quem é. Nesses emails parece claro o contexto da conversa. Pedro Guerra parece aconselhar-se com este senhor sobre quais os árbitros que achava que deviam ser mencionados positiva ou negativamente no(s) programa(s) onde estava. Adão Mendes nas respostas disse coisas como:

"Sobre a arbitragem não temos de ser maezinhas (...sem corte...) mas usar a inteligência a nosso favor, criticando sempre, mas propondo soluções e não desabafos."

"Dizem os grandes sábios dos paineis que algo está a mudar. O porto já não manda mas... ainda não compreendem onde está o poder. (...sem corte...) O poder está no trabalho dia a dia, na busca da verdade e da seriedade e isso faz a diferença."

"Hoje quem nos prejudicar sabe que é punido."

"Temos hoje árbitros, que não sendo internacionais têm demonstrado melhores prestações que os internacionais. Entre os quais: (...sem vir directamente para aqui...) Jorge Ferreira, Nuno Almeida, ..."

Até Pedro Guerra nessa conversa em privado diz algo como:

"Se a minha postura e opiniões puderem contribuir, nem que seja de forma pifia, para um clima de paz e harmonia, acho que é este o caminho a seguir."

Parece mentira mas é verdade. Neste emails fala-se maioritariamente no Benfica abordar os árbitros de forma mais contida, elogiando-os e defendendo-os mais em vez de os criticar (quando vínhamos de 2 campeonatos roubados). Isto tudo foi transformado pela comunicação social em algo comparável com o apito dourado. Dizer que alguns árbitros têm tido melhores prestações, enumerando-os, torna-os benfiquistas. Dizer que alguém hoje é punido (ao contrário do que acontecia antigamente) quando prejudica o Benfica é crime. Estamos numa altura em que quando o Benfica não é prejudicado está a ser beneficiado.

Se fosse o presidente do Benfica a vangloriar-se que tinha corrido com o presidente da arbitragem e que tinha colocado alguém a presidir a Liga até se compreendia a suspeição de um apito dourado, mas assim... Eu sei que isto foi o que o presidente do Sporting afirmou naquela entrevista. Mas não se esqueçam que do conteúdo daquela entrevista não é para se falar. Nesse caso só se pode falar do senhor do gravador.

Para ainda dar mais azo a especulações lá apareceu novamente Marco Ferreira em directo num programa. Até parecia preparada a coisa... Este senhor já é um clássico. No ano passado veio dizer, indignado, que Vitor Pereira lhe tinha ligado antes de um jogo do Benfica a desejar-lhe que fizesse uma boa arbitragem para que pudesse ser opção para um clássico. No caso dos vouchers, quando se discutia se o seu valor monetário ultrapassava os limites da lei, lá apareceu ele novamente em directo num programa dizendo que até tinha recebido 2 num jogo porque este tinha sido adiado.

Esta semana lá estava ele com a lição bem estudada outra vez. Entrou logo de rompante a fazer um paralelismo entre emails e ele ter descido de categoria, dando enfâse ao Benfica ter perdido 2 jogos com ele a apitar nessa época. E foi aí que se percebeu a importância que tem um Pedro Guerra. Ia preparado e apenas lhe perguntou que enumerasse os jogos em que teve notas negativas e se algum tinha sido um jogo do Benfica. Bastou isso para ele perder toda a pujança com que tinha entrado no programa.

A quem critica Pedro Guerra eu questiono como é que não percebem a sua importâncias ou de Rui Gomes da Silva nos tempos que correm. Basta ver um dia o programa Play-Off da Sic Noticias para perceber. TODOS, MAS MESMOS TODOS os programas o nome do Sport Lisboa e Benfica sai manchado dali. TODAS as semanas são levantadas suspeições e ditas coisas como verdades absolutas sem qualquer defesa. Basta João Alves não concordar com um lance polémico e é engolido pelos 3, é enxovalhado, maltratado e por vezes mesmo insultado.

Voltando a Marco Ferreira achei curiosa a insistência dele em dizer que se aparecessem emails com criticas a arbitragens suas, ia achar que realmente existia uma ligação. Eu não sou bruxo mas diria que os próximos emails obtidos ilegalmente e que vão ser apresentados num canal pago por contribuintes, vão conter criticas a Marco Ferreira. Se assim for Marco Ferreira é que se calhar deve começar a ser um caso de policia.

P.S. De um antigo comunicado dos super dragões sobre Jorge Ferreira:


Afinal, para além de Pedro Guerra, alguém conhecia Adão Mendes.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Os principais criminosos vão pagar por isso?

Morreu um adepto. A questão nunca foi se ia acontecer. Era quando ia acontecer.

Há muito que Porto e Sporting, em conjunto, prepararam uma estratégia para tentar fechar o estádio da Luz e continuarem a manchar o nome do Benfica usando para esse fim as nossas claques.

Tudo começou com os super dragões e juve leo, que num jogo da selecção foram até ao estádio da Luz insultar o Benfica e os benfiquistas. Também no mesmo jogo Jaime Marta Soares fazendo-se de menino ingénuo decidiu ir para o meio dos adeptos para ouvir uns insultos e dizer que o queriam linchar.

O mote tinha sido dado e Porto e Sporting começaram a atacar as nossas claques por não estarem legalizadas (como se fizesse diferença). Continuaram a estratégia com os cânticos no Dragão Caixa a desejar a morte dos jogadores do Benfica. Mais tarde num dos pavilhões da Luz foram os adeptos do Sporting que puxaram do seu reportório sem fim de cânticos insultuosos contra o Benfica até obterem a resposta que queriam.

Os amigos da televisão e dos jornais deram-lhes o mediatismo que pretendiam. Quem os vê escandalizados hoje com os cânticos das claques parece que não andam à mais de 20 anos a ouvir semanalmente o cântico "slb, slb, filhos da puta slb".  Nalguns casos até elogiando o ambiente quando essa música invariavelmente se ouve.

E continuaram diariamente Nuno Saraiva e Francisco Marques, secundados por Bruno Carvalho e Pinto da Costa a meter lenha na fogueira, sabendo perfeitamente que estavam a mexer com pessoas que iam acabar por fazer porcaria.

Daqueles indivíduos que se juntaram ao pé do estádio da Luz tenho pena que não percebam que estão a ser usados como peões de uma estratégia. Mas é inadmissível que pessoas que sabem que foram as causadoras da morte de um adepto ainda se aproveitem dessa mesma morte para continuar a atacar outro clube.

Podem vir todos os jornalistas do mundo tentar juntar no mesmo saco o Presidente do Benfica com todas as personagens atrás, mas não o conseguem. Podem vir falar do Pedro Guerra e do Rui Gomes da Silva fazendo de conta que José Pina, Augusto Inácio, ou Bernardino Barros não são a mesma coisa. Ou esquecendo-se que pela televisão portuguesa já passaram Dias Ferreira, Pôncio Monteiro ou Eduardo Barroso. Na altura em que éramos comidos de cebolada nesses programas ninguém se preocupava com comentadores.

É melhor que comecem a castigar verdadeiramente esta gente rasca, sem escrúpulos e cobarde que usa malta desequilibrada das claques para obter o que querem. Que não olham a consequências para atingir os fins. Por vezes teve piada mas chegou a altura de terminar o circo em que transformaram o futebol português.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Não caiam na armadilha

Nos últimos tempos têm existido alvos bem definidos pela aliança dragarta. Na equipa do Benfica é Jonas o contemplado. No jogo com o Porto pegaram no choque com Nuno. No jogo com o Moreirense foram as supostas palavras a um jogador. Esta semana foi chamada a equipa de linguagem labial que decifrou insultos a um jogador do Maritimo.

O que querem é que Jonas perca a cabeça num jogo e acabe por agredir alguém. Espero que Jonas tenha sangue frio, que ignore as entradas que tem sofrido sem bola em quase todos os jogos e que responda com golos, assistências e bom futebol.

O outro alvo são as claques do Benfica. Os cânticos dos super dragões não foram por acaso. Porto e Sporting não andam a atacar a claque diariamente só porque sim. O que eles querem é acicatar a claque. Querem que os nossos adeptos respondam para que seja possível fechar o estádio da luz em algum destes últimos jogos.

Também eles espero que sejam inteligentes e que respondam única e exclusivamente com apoio aos jogadores.

Só nós interessamos nestes últimos 6 jogos. Temos agora a equipa quase na máxima força. Repetimos pela primeira vez um 11 e viu-se já o potencial que esta equipa pode atingir quando Grimaldo, Fejsa, Rafa e Jonas estiverem no máximo das suas capacidades.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Um país futebolístico que que se tornou num bordel

Começo por dizer que tanto Samaris como Luisão deveriam ter sido expulsos. Não tenho problemas em dizê-lo. Mas existe uma coisa que não aceito. Não aceito que a comunicação social transforme este jogo num roubo a favor do Benfica. Toda a gente que assistiu ao jogo percebeu bem que o que aconteceu foi exactamente o contrário.

O Hugo Gil já fez um pequeno resumo com muitas das entradas para amarelo dos jogadores do Moreirense que passaram impunes. Mas este jogo foi muito para além disso. Do início ao fim da partida Tiago Martins teve uma dualidade de critérios gritante. Foram mais de uma dezena de ataques e contra-ataques travados através de faltas que não foram assinaladas. Foram recuperações de bola limpas transformadas em faltas contra nós. 

Isto para não falar dos 2 amarelos ridículos mostrados a Ederson e Fejsa que demonstraram claramente que Tiago Martins estava ali com o propósito de travar o Benfica. O primeiro a Ederson por atrasar uma reposição de bola quando já tinham passado 15 segundos do tempo extra dado na primeira parte!!! A Fejsa por não ter feito nada e com o pormenor de ao mesmo tempo que apitava a falta o cartão já estar no ar.

Para quem não viu o jogo não tenho imagens para demonstrar o que afirmei atrás, mas acho que as estatísticas falam por si. 70% de posse de bola e mesmo assim foram assinaladas mais faltas contra nós e mostrados mais cartões aos nossos jogadores.


Agora as meretrizes do costume andam todas indignadas com os lances de Luisão e Samaris. Mas onde é que andava esta jornaleirada toda na semana passada quando Maxi tentou partir a perna de Cervi?


Onde é que andavam quando Corona apertou o pescoço a um jogador do Boavista ainda antes do intervalo do jogo no Bessa?


Para onde é que estavam viradas as cameras da Sportv no Porto vs Tondela quando Soares agrediu a soco um adversário e quase marcou golo de seguida? E porque é que mesmo analisada esta imagem e percebendo-se claramente que houve agressão ninguém pediu repetições do lance e sumaríssimo?


Samaris não devia ter feito o que fez. Mas fez o que a maioria de nós fazia depois de estar 90 minutos a ver os seus colegas levar porrada, e um palhacito de apito na boca a permitir tudo. Curiosamente antes desse lance apareceu Zivkovic no chão a queixar-se de algo numa jogada sem bola que mais uma vez não teve direito a imagens da Sportv. E percebeu-se que foi essa jogada que alterou Samaris.

Para precaver que outras coisas como estas aconteçam é bom que o Benfica comece a defender os seus jogadores. Já passaram mais de 2 épocas sem nenhum adversário do Benfica ser expulso antes dos 90 minutos. São dezenas de entradas como a de Maxi sem vermelho. Estes lances são uma banalidade, tal como é uma banalidade nenhum jornalista falar deles.

P.S. - Amanhã ou na próxima quinta-feira Samaris será castigado. Não vou tentar adivinhar ao certo quando vai ser ou o número de jogos que irá apanhar. Mas uma coisa é certa. Não vai poder ser opção para o derby.

P.S.2 - A disponibilidade física do Moreirense foi assustadora. Para além disso, a 10 minutos do fim, estarem todos os jogadores de pé no banco demonstra que muito dinheirinho estava em jogo. E sexta-feira será mais do mesmo.

terça-feira, 4 de abril de 2017

Como as coisas são e como as fazem parecer

Já íamos em quase dois meses de superlativação azul e branca. Os adjectivos começavam a escassear para tanto poderio e futebol maravilha. Nuno é nos dias que correm um picasso que cria obras de arte não só nas conferências de imprensa como na disposição dos seus jogadores dentro de campo. O prémio Rui Santos com certeza já não lhe escapa.

O poderio da sua equipa tinha sido evidente nos oitavos de final da Liga dos Campeões. A Juventus ainda hoje não sabe como conseguiu eliminar este Porto. Não fosse o Bufão a desviar 2/3 bolas com os olhos durante os 180 minutos (não chegou a precisar das mãos) e o céu era o limite. E é preciso dizê-lo. Se não fossem os árbitros a aplicar as leis e talvez tivesse acontecido mais uma grande vitória à Porto.

Já o moribundo Benfica, que nada joga, vinha de uma derrota humilhante na Alemanha, onde apenas conseguiu discutir a eliminatória durante 150 dos 180 minutos, e tinha acabado de empatar na Mata Real. O título estava decidido. O foguetório foi intenso durante 22 horas, esmoreceu um pouco a seguir ao empate do Porto em casa com o Setúbal mas voltou em força nos restantes 14 dias.

O Benfica chegava ao jogo sem Fejsa (nunca foi titular contra o Porto desde que joga no Benfica), ainda sem Grimaldo e sem Jimenez que costuma entrar em todos os jogos. O Porto chegava na máxima força e como o seu treinador quis frisar, trabalhou durante 15 dias com 9 dos 11 jogadores que apresentou no clássico. O Benfica trabalhou com 4.

Quem não percebe nada de futebol e ouvisse toda esta legião de pés de microfone durante as últimas semanas diria que o Porto ia entrar na Luz e atropelar o Benfica. Também os adeptos portistas estavam com uma confiança sem limites e ver alguns a defender hoje o que o Porto fez durante e principalmente no final do jogo deixa-me feliz. A cultura de vitória desapareceu de vez.

No final do dia, e após 8 jornadas, o Benfica é novamente a única equipa a depender de si própria para ser campeã. No entanto queria mais. O Porto desperdiçou a oportunidade de garantir para si esse estatuto. No entanto festejou. Muitos podem achar que não mas isto conta muito. O Porto até pode acabar campeão mas no final existe uma coisa que não vai mudar. O Porto não lutou para vencer este campeonato. Preferiu esperar que o Benfica o perdesse.

Nas próximas jornadas vai ser mais do mesmo. A pressão vai estar na ordem do dia. O Benfica que durante mais de 20 semanas a aguentou, dando apenas oportunidade de perder a liderança após o jogo contra o Paços de Ferreira, dizem que vai tremer. O Porto que teve 2 oportunidades consecutivas de chegar ao primeiro lugar e falhou, dizem que dificilmente perde pontos. Aliás a nova moda é que o calendário do Benfica é o mais difícil. Não sei se eles já viram contra quem vão jogar fora de casa e principalmente os resultados que essas equipas têm nos seus redutos. Espero que não tenham pensado muito nisso.

No final do jogo toda a imprensa fez questão de saudar a forma correcta e sem incidentes como decorreu o clássico. Só pode ser para rir. No estádio os adeptos do Porto tentaram derrubar um portão para chegar aos adeptos do Benfica. No final do jogo João Pinto parecia que queria bater em alguém. Pinto da Costa respondeu mal a jornalistas enquanto Luís Gonçalves os ameaçava. Na policia verificaram-se os costumeiros abusos de autoridade com um elemento a pontapear a cabeça de um adepto já no chão. No caminho de casa um autocarro de adeptos do Benfica foi atacado numa estação de serviço e tiveram de fugir, sendo que até um miúdo de 14 anos ficou ferido. Ainda mais a norte a casa do Benfica de Braga era vandalizada pela terceira vez. Ai se fosse ao contrário...

P.S. - Já não existe palavras para descrever o Sporing e no que aquele clube se tornou. Podiam esperar pelo derby e tentar legitimamente fazer de tudo para vencer o jogo dentro de campo. Agora andar a fazer este papel de alternadeira do Porto é deprimente. Lá vão ser 3 semanas a ouvi-los diariamente.

P.S.2 - Já vamos em 6 golos mal validados esta época contra o Benfica. Só o desta jornada não permitiu que o campeonato ficasse já resolvido. Se lhe juntarmos os restantes...

terça-feira, 28 de março de 2017

Demência anti-benfiquista.

Chegamos a um ponto onde até os valores humanos são atirados ao lixo em favor de uma causa anti-benfiquista sem precedentes. Deve andar tudo maluco. Eu ouvi neste fim de semana um jornalista a elogiar a "claque" criada pela FPF, porque diz ele, foram importantes no Europeu. 


Estamos a falar de gente que nos últimos meses ameaçaram árbitros, um deles, o mais conhecido, disse em directo na televisão "que ou os árbitros mudavam ou ia acontecer uma tragédia". Vandalizaram estabelecimentos de familiares de árbitros. Divulgaram nas redes sociais os percursos que os árbitros iam fazer antes dos jogos. Organizaram, também nas redes sociais, esperas a adeptos do Benfica em Braga. E por aí fora. E nos últimos anos só agrediram mais de uma dezena de outros jornalistas, o que pelos vistos não incomoda Otávio Lopes.

O que foi feito ao Benfica esta semana pela FPF é vergonhoso. O processo ao Benfica por causa de um comunicado onde pede igualdade e o desplante de enviar para a Luz uma claque liderada por 2 criminosos bem conhecidos (macaco e mustafa) é algo inimaginável. Já sabíamos que Sporting e Porto estavam unidos contra o Benfica. Esta semana confirmou-se que não estão sós.

Nos últimos 5 anos Luisão já foi castigado 2 meses. Jorge Jesus, ainda no Benfica durante 1 mês, Enzo Perez um jogo uns dias após ter um gesto de roubo com a mão, Vieira mais de um mês todas as épocas após criticar uma arbitragem, e esta época até por um desabafo no próprio camarote. Rui Vitória 15 dias, após uma reunião de emergência, menos de 24 horas depois de ser expulso pela primeira vez no Benfica.

Agora é só pensar um bocadinho em tudo o que temos visto por parte de Porto e Sporting. Criticas a árbitros antes, durante e após os jogos são banais. Muitas das vezes chegam ao insulto. Coacção como a que foi feita com Pizzi na semana passada fazem parte das estratégias de ambos. Colocar o nome do Benfica na lama é o dia a dia não só deles como de muitos jornalistas. Acusações de corrupção sobre o Benfica, árbitros e orgãos de decisão são consideradas coisas normais e passam incólumes. Invasão de balneários de árbitros durante os jogos são práticas comuns a norte. Cuspidelas a outros dirigentes são práticas comuns a sul. Agressões bárbaras como a de Slimani levam meio ano a serem resolvidas com 2 mercados pelo meio e com um castigo ridículo de um jogo.

Tudo mas mesmo tudo vale para impedir o Benfica de ganhar. Hoje não tenho dúvidas que tudo o que façam ao Benfica, mesmo as coisas mais reprováveis em qualquer sociedade, vão ser defendidas em nome do anti-benfica. 

quarta-feira, 22 de março de 2017

A partir da Madalena poderão sempre chamar o 102.

Um árbitro tem a legitimidade para ir ver um jogo de futebol. Mas é normal que o faça na bancada VIP de um clube que apita durante a época?


Um árbitro pode falar com os jogadores. Mas é normal no intervalo de um jogo ter esta intimidade com um jogador e nos primeiros 10 minutos da segunda parte mostrar 4 cartões a jogadores adversários sem justificação?


Cada jogo é um jogo. Mas é normal um árbitro em jogos de Benfica e Porto contra a mesma equipa (V. Setúbal), que fez o mesmo anti-jogo nos 2 jogos, dar 5 minutos de compensação no jogo do Benfica e 12 no jogo do Porto?

E é admissível um árbitro ao apitar para o final do jogo demonstrar desilusão pelo resultado?


Manuel Oliveira é um dos casos mais paradigmáticos do que é o futebol port(o)guês. É evidente a sua parcialidade mas todos fazem de conta que não reparam. Muita gente diz que o apito dourado voltou. Mas eu pergunto. Alguma vez desapareceu? Apenas tivemos umas "tréguas" com a saída  de alguns pontas-de-lança que ainda não tinham substitutos para eles. Convenhamos também que chegar ao nível de Benquerença, Proença ou Marco Ferreira não é fácil.

Por exemplo na época passada o plantel foi tão curto que usaram e abusaram de Jorge Sousa ao ponto de a meio da época este ter de arranjar uma lesão para não ter os jogos suficientes para ser classificado. A essa altura já tinha "cadastro" no Benfica vs Sporting da Supertaça, no Sporting vs Benfica da Taça de Portugal e nos jogos do campeonato Nacional vs Porto e Sporting vs Braga. Não fosse a "lesão" e tinha seguido o mesmo caminho de Marco Ferreira.

Mas na época passada e esta época deram-se a conhecer novos valores e digo-vos, o futuro vai ser muito triste. Tiago Martins, Luís Ferreira, Fábio Verissimo, João Pinheiro e Manuel Oliveira são do pior a que já assisti. A protecção da comunicação social a estes rapazitos já é evidente e o seu silêncio a cada roubo que protagonizam a prejudicar o Benfica e a favorecer Porto e Sporting é a confirmação de que vamos levar com eles muitas vezes.

Arbitragens, nomeações descaradas, conselho de disciplina já sem vergonha, comunicação social a atingir níveis de desonestidade estratosféricos, Sportv cada vez mais parcial nas repetições de lances e... vamos ver os observadores de árbitros. Ainda são dos poucos em que acredito. Mas se no final da época, pelo menos Luís Ferreira se mantiver na primeira categoria então vamos voltar a penar durante muito tempo. Não existe forma de sobreviver ao que está a acontecer actualmente no futebol português.